Assembleia Geral terá celebração ecumênica nesta terça-feira

Assembleia Geral terá celebração ecumênica nesta terça-feira  

A Comissão Episcopal Pastoral para o Ecumenismo e Diálogo Inter-Religioso da CNBB promove, nesta terça-feira, 6 de maio, culto ecumênico dentro das atividades da Assembleia Geral. A celebração será no plenário, a partir das 18h45, e contará com a participação de diversas igrejas cristãs.

 Estão confirmados os representantes da Igreja Católica Armênia; Igreja Ortodoxa de Antioquia e da Igreja Episcopal Anglicana no Brasil, entre outros. Também estará presente a presidente do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs, pastora Romi Bencker. A reflexão será proferida pela representante da Igreja Presbiteriana Unida, a pastora Anita Torres.

CNBB envia carta ao papa Francisco durante 52ª AG

CNBB envia carta ao papa Francisco durante 52ª AG

O episcopado brasileiro enviou carta ao papa Francisco por ocasião da 52ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). No texto, é ressaltado o espírito de esperança e alegria que marca o encontro. Os bispos também agradeceram a presença de Francisco na Jornada Mundial da Juventude Rio2013, a canonização do apóstolo do Brasil, São José de Anchieta e falaram do tema central, que trata da renovação paroquial, influenciada pela exortação Evangelii Gaudium. “Saiba, Santo Padre, que as observações que Vossa Santidade fez quando aqui esteve  e, particularmente, as que encontramos em sua Exortação Apostólica Evangelii Gaudium têm iluminado nossos estudos sobre esse assunto”, afirma um trecho.

Confira, na íntegra, a carta enviada ao papa Francisco:

Aparecida – SP, 03 de maio de 2014.

P - N. 0394/14

Santo Padre,

Desde o dia 30 de abril passado, nós, Bispos do Brasil, estamos em Aparecida, reunidos sob o manto da Mãe de Jesus. Vossa Santidade conhece bem esta Casa de Maria. Participamos da 52ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. Como é do seu conhecimento, encontros assim vão muito além dos estudos, das reflexões e das decisões que precisam ser encaminhadas. Apesar dos muitos problemas que cada irmão enfrenta, nossa Assembleia é marcada por um clima de esperança e de alegria. Nossa alegria deve-se tanto à consciência da presença do Ressuscitado entre nós como à certeza de que nos encontramos com irmãos atentos às histórias e desafios que trazemos no coração. Assim, o peso das responsabilidades de cada um é repartido entre todos.

Agradecemos a oportunidade de tê-lo entre nós, Santo Padre, durante a Jornada Mundial da Juventude do Rio de Janeiro, em julho passado, e lhe testemunhamos o quanto nosso país e, particularmente, nossos jovens lhe são gratos por isso. Todos se sentiram confortados com sua presença no meio de nós, com suas palavras e gestos. Nossos jovens recordam com carinho o que viram, ouviram e viveram. Como os discípulos de Emaús, perceberam que sua companhia fez seus corações se abrasarem. Com a simplicidade que os caracteriza, constatam que o Papa "roubou" o seu coração.

Agradecemos-lhe também, Santo Padre, pela recente canonização do Padre José de Anchieta, "o Apóstolo do Brasil". Nós, apóstolos de hoje, temos muito que aprender com esse irmão que veio para o Brasil, não em busca de ouro ou fama, mas para trazer aos que aqui moravam o que ele tinha de mais precioso: a fé em Jesus Cristo, o Salvador. De certa forma, todos nós estivemos presentes em Roma, no dia 24 de abril passado, na Igreja de Santo Inácio, quando Vossa Santidade, com muitos brasileiros, rendeu graças a Deus por essa canonização. Na Missa que celebraremos no Santuário da Mãe Aparecida, no próximo domingo, também em ação de graças pela canonização de Anchieta, rezaremos de modo especial pelas intenções de Vossa Santidade.

Nesta nossa Assembleia, ocupa um lugar especial a reflexão sobre a Paróquia - comunidade de comunidades. Saiba, Santo Padre, que as observações que Vossa Santidade fez quando aqui esteve  e, particularmente, as que encontramos em sua Exortação Apostólica Evangelii Gaudium têm iluminado nossos estudos sobre esse assunto.

Uma assembleia como a nossa, Santo Padre, é rica de assuntos, porque muitas são as exigências de nossa missão. Queremos pedir sua bênção para ela, para nossas dioceses, paróquias e famílias.

Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil, interceda por seu ministério!

 

Cardeal D. Raymundo Damasceno de Assis

Arcebispo de Aparecida

Presidente da CNBB

 

Dom José Belisário da Silva, OFM

Arcebispo de São Luís do Maranhão

Vice Presidente da CNBB

 

Dom Leonardo Ulrich Steiner

Bispo Auxiliar de Brasília

Secretário Geral da CNBB

Semana Vocacional na Paróquia Nossa Senhora do Rosário

 

Semana Vocacional na Paróquia Nossa Senhora do Rosário

Entre os dias 7 a 11 de abril a equipe vocacional da Diocese de Santo Ângelo esteve em nossa paróquia. O trabalho vocacional foi direcionado às crianças e jovens sendo que o mesmo realizou-se nas escolas da cidade.

O trabalho consistia em despertar e esclarecer dúvidas sobre as vocações de um modo geral. O que vou fazer com a minha vida, que caminho seguir? O que é vocação? Qual a minha vocação?

Vocação quer dizer chamado, este chamado também pode ser compreendido como um dom, um convite. Uma maneira de Deus dizer que precisa de você para determinada tarefa; que ele necessita de sua ajuda; sem reservas. É muito importante que cada um atenda ao pedido de Deus, descobrindo a sua própria vocação; que não tenha medo de segui-la em sua plenitude.

A equipe de animadores vocacionais através de material audiovisual e impresso trabalharam com crianças e adolescentes de açodo com a realidade de cada escola. Em algumas foi discutido com mais ênfase sobre a questão das drogas; escolhas, recusas e desafios de se repelir este mal do dia a dia de muitos.

Dialogou-se muito também sobre valores e virtudes que devemos cultivar como ser humano: respeito, honestidade confiança, amizades verdadeiras, valor da família na vida de cada um. Orientou-se sobre os perigos e tentações que nos cercam que vem disfarçados de desafios prazeroso que cedo ou tarde cobram seu preço.

Foram atendidas escolas e mais de mil crianças e jovens. A equipe que veio até nossa cidade é composta pelo Pe Volnei Arnt, Frei Miguel Becker, Irmãs Juceli Zaffari, Benicia Rauber, Regina Freire, Aparecida Gonçalves de Souza e Irmãos Jose Feix e Jorge Huppes. Várias famílias de nossa paróquia hospedaram a equipe vocacional sendo que a matriarca de cada família ao final da semana já foi subtitulada como “mãe” de cada integrante da equipe. Neste espírito de acolhida e trabalho realizado rezemos esperando que nossas crianças não tenham medo de escolher e viver a sua vocação.

“Deus contigo tem um plano, porém a descoberta tu realizas.”

                       

 

 

 

Papa propõe reflexão para a Semana Santa

Papa propõe reflexão para a Semana Santa

Segunda, 14 Abril 2014 14:13

“A Semana Santa é um bom momento para confessar e retomar o caminho certo”, disse o papa Francisco no twitter, ontem, dia 14. Como proposta para viver a Semana Santa que celebra a paixão, morte e ressurreição de Jesus, o papa Francisco convidou os fiéis a um exame de consciência. Na missa do Domingo de Ramos, 13, e procissão na Praça de São Pedro, o papa deixou de fazer a homilia e propôs momento de reflexão sobre a passagem bíblica que retrata a Paixão de Cristo.

 O papa sugeriu alguns caminhos para a Semana Santa e disse ser preciso questionar qual postura se deve assumir diante do Senhor. “Quem sou eu, diante de Jesus que sofre? Ouvimos muitos nomes. O grupo de líderes, alguns sacerdotes, alguns fariseus, alguns mestres da lei que tinham decidido matá-lo. Eles estavam esperando a oportunidade para prendê-lo”, disse.

Francisco falou sobre a atitude de Judas, que é retratado na Bíblia como o traidor. "Eu sou como Judas, que finge amar e beija o Mestre para entregá-lo, para traí-lo? Eu sou um traidor? Eu sou como os líderes que, com pressa, fazem o tribunal e procuram falsos testemunhos: Eu sou como eles? E quando eu faço essas coisas, se eu as faço, acredito que com isso salvo o povo?", acrescentou.

Onde está meu coração? O papa continuou com as suas perguntas em meio a uma Praça silenciosa e reflexiva. “Eu sou como Pilatos que, quando vejo que a situação está difícil, eu lavo as minhas mãos e não sei assumir a minha responsabilidade e deixo condenar - ou condeno eu - as pessoas? Eu sou como aquela multidão que não sabia bem se se encontrava em uma reunião religiosa, ou num processo ou em um circo, e escolhe Barrabás? Para eles é a mesma coisa: era mais divertido humilhar Jesus”, afirmou.

O papa falou, ainda, do comportamento de José e de Maria que acompanharam o paixão de Jesus. “Eu sou como José, o discípulo escondido, que leva o corpo de Jesus com amor, para sepultá-lo? Eu sou como essas duas Marias que permanecem na porta do sepulcro, chorando, rezando? Eu sou como esses líderes que no dia seguinte foram a Pilatos para dizer: 'Mas, olha ele dizia que iria ressuscitar; que não seja mais um engano', e bloqueiam a vida, bloqueando o sepulcro para defender a doutrina, para que a vida não venha para fora? Onde está meu coração?”, questionou.

Ao concluir a reflexão, o papa Francisco pediu aos fiéis para que verificam com qual dos personagens cada um se identifica, propondo que esse questionamento seja vivido durante a Semana Santa.

Fonte: CNBB/Rádio Vaticana - Fotos: Divulgação

CNBB abre concurso para hino da Campanha da Fraternidade 2015

CNBB abre concurso para hino da Campanha da Fraternidade 2015

Estão abertas as inscrições do concurso para escolha do Hino da Campanha da Fraternidade 2015. O prazo para envio das composições (áudio e partitura) será até 11 de junho de 2014. Por decisão do Conselho Episcopal de Pastoral (Consep) da CNBB, o concurso será realizado em um único edital, que irá selecionar letra e  música, simultaneamente, podendo haver parceria de letristas e músicos.

 A Campanha da Fraternidade de 2015 terá como tema “Fraternidade: Igreja e Sociedade” e lema “Eu vim para servir” (cf. Mc 10,45). O objetivo é inserir a campanha nas comemorações do jubileu do Concílio Vaticano II, com base nas reflexões propostas pela Constituição Dogmática Lumen Gentium e na Constituição Pastoral Gaudium et Spes, que tratam da missão na Igreja no mundo.

O assessor de música litúrgica da CNBB, padre José Carlos Sala, destaca a importância do concurso e da colaboração dos profissionais da música.

“A participação de poetas e músicos para a composição de um hino visa traduzir em linguagem poética os conteúdos do tema, lema e objetivos da Campanha da Fraternidade, com uma melodia bela e expressiva que possibilite a participação de todos no canto”, explica.

Confira o edital do concurso.

Assine nossa Newsletter